in

Saiba o que é Co-branding e como ela pode ajudar uma empresa

5-vantegens-do-endomarketing

Com a alta competitividade do mercado, a união entre empresas, mesmo que de diferentes setores de atuação, pode ser uma alternativa na busca pelo reconhecimento: trata-se do co-branding.

Certamente você já viu algum produto de uma companhia vinculado ao produto de outra marca, com fins totalmente diferentes uma da outra. Por exemplo, um tênis integrado com um relógio, ou até mesmo parcerias cinematográficas com empresas de alimentos.

Você pode estar se perguntando como isso pode agregar em seu negócio e, mais do que isso, como essa técnica deve ser aplicada para que o sucesso seja alcançado. Se você se encontra nessa posição de dúvidas, está no lugar certo.

Este artigo abordará as principais questões relacionadas ao co-branding, desde o seu significado, até dicas sobre como aplicá-lo de forma eficaz em sua empresa. Por isso, acompanhe a leitura!

Afinal, o que é co-branding?

O co-branding pode ser entendido como a parceria entre marcas, ou marcas que geram valor. Esse conceito não é novo, mas vem sendo aplicado cada vez mais no mundo do marketing.

Essa colaboração entre as marcas diz respeito à associação destas empresas envolvidas no processo. Isso pode acontecer até mesmo quando há a criação de um novo serviço ou produto.

Em resumo, empresas com apelos diferentes se unem para criar um produto que satisfaça a necessidade dos consumidores de ambas.

Por exemplo, uma empresa de som e iluminação para festas e outra do setor alimentício podem se unir e criar um novo serviço, como um tipo de festa específico que envolva os produtos dos dois negócios.

Quais os benefícios trazidos por essa colaboração?

Vincular duas marcas que possuem boa reputação no seu nicho é uma boa tática para gerar lucros e trazer bons resultados para as empresas. Isso sem falar da melhora na imagem delas.

Só que as vantagens e benefícios dessa aplicação não ficam por aí. Conheça mais algumas abaixo:

Crescimento da marca

Com o co-branding, você e a empresa parceira estarão unindo dois públicos, o que certamente aumenta a popularização de ambas as marcas.

Os envolvidos nesse processo ganham mais poder de circulação e, com uma estratégia de marketing eficaz, essa união pode atingir o público-alvo em diversos lugares e formatos.

Isso é ainda mais efetivo caso as empresas sejam de nichos diferentes. Isso porque a parceria estará atraindo um público que talvez ainda não conheça seu trabalho.

Vale lembrar que, não necessariamente, as duas marcas precisam ser aclamadas. Por exemplo, o co-branding pode ser feito entre uma conceituada empresa de creme hidratante para o rosto e uma empresa alimentícia nem tão conhecida assim.

Neste caso, a empresa do creme facial se beneficiará de boas impressões para expor seus produtos no mercado, enquanto a empresa de alimentos se sairá bem por ter seu nome vinculado ao de uma renomada empresa de cosméticos.

Maior credibilidade da marca no mercado 

O fato de fazer com que a marca atinja um público-alvo mais extenso é um dos grandes benefícios do co-branding.

Isso pode ser vantajoso principalmente para as empresas que estão começando agora, e estabelecem um vínculo com uma empresa que já tem prestígio, por exemplo.

Exemplificando, se um consumidor sabe que uma marca da qual ele gosta e segue está ligada a alguma outra marca, vai passar a dar credibilidade a essa marca também. É uma ação quase que automática.

Pense como se as duas empresas estivessem ligadas por um cabo flexível 8mm, cada uma em uma ponta e transmitindo para a outra suas qualidades – e suas deficiências também.

Por isso, é importante verificar, antes de fechar um co-branding, se o parceiro pretendido possui valores e reputação satisfatórios. Mas, isso será abordado melhor mais adiante.

Divisão de gastos para as estratégias de marketing

No co-branding há o compartilhamento dos gastos relacionados ao marketing das campanhas de divulgação da parceria.

Sendo assim, quando essa parceria começa a render resultados satisfatórios, os investimentos são recuperados e até geram lucros.

Além disso, o produto ou serviço não fica disponível apenas por um tempo determinado, ele pode ficar circulando por anos e anos, então o retorno é contínuo.

No entanto, é necessário que as estratégias sejam avaliadas e ajustadas sempre que necessário, como uma espécie de check up geral exames.

Diante disso, podemos listar, de forma básica, quais são os benefícios advindos do co-branding para ambas as marcas:

  • Apresentação a um novo mercado;
  • Divisão de gastos na criação de um novo produto/serviço;
  • Vantagens para estratégias individuais;
  • Vínculo favorável entre marcas;
  • Crescimento de vendas;
  • Destaque perante à concorrência.

As vantagens são tantas que são capazes de gerar curiosidade sobre como aplicar essa parceria. Confira algumas dicas a seguir.

Como colocar o co-branding em prática?

Para obter sucesso nesse processo, você deve, antes de tudo, escolher qual marca tem afinidade com o seu negócio e se esta relação pode ser do tipo benéfico para ambas as partes.

Ou seja, deve-se avaliar se os resultados do co-branding serão mais positivos do que se as marcas atuarem sozinhas em relação ao produto.

Além disso, é importante verificar a reputação da marca parceira no mercado. Ela não precisa ser, obrigatoriamente, uma marca renomada mundialmente, mas deve ser bem vista pelo menos dentro do seu nicho. Além de que vocês devem trabalhar de forma mútua.

Neste quesito, deve-se avaliar ainda a missão, a visão e os valores de negócio, e a ideologia das marcas. Essas características, em especial, devem refletir em ambas as partes, como em um espelho decorativo sala de jantar.

Outra questão importante é conferir se essa parceria gerará benefícios verídicos para os próprios consumidores das marcas. Para isso, os gestores devem considerar tudo: tempo de duração da parceria, investimentos necessários e riscos.

Normalmente, as marcas envolvidas na parceria criam campanhas de marketing que visam ótimas oportunidades de conversão de vendas.

Partindo deste princípio, as empresas devem adotar técnicas de vendas testadas e aprovadas. Ou seja, se dedicarem a atrair a atenção do público-alvo, cativá-lo e, em seguida, ofertar o produto ou serviço.

Por isso, é importante considerar o público-alvo de ambas as empresas envolvidas, uma vez que estes não devem conflitar entre si.

É quase como se você devesse pedir, mesmo que de forma indireta, a permissão de seu cliente para adotar essa parceria. Tal qual um taxista precisa do alvará de táxi para realizar sua atividade, por exemplo.

Sendo assim, para a parceria ser de sucesso, as duas partes precisam planejar e analisar todo o processo e tomar muito cuidado para uma não se sobrepor à outra, devendo as duas manter-se em posição de destaque nessa colaboração.

Confira 3 passos importantes para que seja possível colocar em prática o co-branding:

1 – Escolha a época ideal para fazer a campanha

Agora que já pesquisou sobre a empresa parceira e estudou o público-alvo das duas partes, você deve passar a pensar no “quando fazer” a campanha.

Por exemplo, você, representante de uma empresa de sorvetes, não deve lançar uma campanha com uma empresa de produção têxtil sobre moda tropical no inverno.

Existem empresas que praticamente não precisam se preocupar com essa questão, uma vez que fornecem serviços mais essenciais, independente da época do ano ou da economia como manutenção elétrica industrial e serviços de contabilidade, por exemplo.

2 – Planeje bem a ação de marketing

Uma ação assertiva vem através da escolha do parceiro ideal, da análise adequada do público, o entendimento do momento certo para divulgá-la, bem como o planejamento do investimento necessário e possíveis riscos.

3 – Coloque a mão na massa

Arrisque! Se você seguiu todos os passos acima junto do seu parceiro, e ambos acreditam no negócio que estão propondo, não hesite em colocar em prática.

Os bons resultados, os lucros e a credibilidade só vêm para quem arrisca. Afinal de contas, se você levou em consideração as ponderações abordadas, sua marca vai estar preparada para os eventuais riscos.

Considerações finais

Ao chegar ao final deste artigo, após obter conhecimento sobre a definição de co-branding, sua funcionalidade, benefícios, vantagens e como colocá-lo em prática com seu parceiro, você pôde perceber como essa cooperação pode alavancar o seu negócio.

O foco nos pontos fortes de ambas empresas não poderia resultar em outra coisa, senão satisfação e lucros. Isso se essas duas marcas colocarem seus consumidores, com seus comportamentos e preferências, no centro do processo. 

Até porque, uma marca não é nada sem seus consumidores. Sem cliente, não tem produto, porque não tem para quem vender.

Sendo assim, não perca mais tempo e comece a planejar um co-branding para sua empresa. No fim, você verá a grande notoriedade que isso trará ao seu negócio, assim como a reforma de fachada dá outro tom e visibilidade a um prédio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

GIPHY App Key not set. Please check settings

Webinar. Saiba sua função e como ela completa os artigos de um site

Férias em Porto Alegre: o que fazer na capital do Rio Grande do Sul?