in

Mala de viagem na pandemia: itens que não podem faltar

Saiba o que é essencial carregar na bagagem em viagens durante o período de pandemia. 

A crise sanitária trouxe consigo novos hábitos. Com isso, foi e está sendo preciso reaprender a viver, sob as medidas de proteção e recomendações dos órgãos competentes. Além disso, com esse “novo normal”, surgiram também novos itens indispensáveis, tanto para o dia-a-dia como para viagens.

Fazer um turismo seguro nesse período é possível, desde que planejado nos mínimos detalhes. E, antes de tudo, o que precisa ser avaliado é o destino: em relação à viabilidade de acesso à região e aos índices da doença no local.

Feito isso, o próximo passo é montar a mala de viagem que, além de todos os objetos que já eram essenciais, agora ganhou acessórios extras. Para que você não se esqueça de nenhum deles, criamos uma lista. Confira!

Certificado de teste negativo para COVID-19

A depender do destino da sua viagem, o certificado de teste negativo para COVID-19 pode ser requerido. Para viagens dentro do Brasil, não é necessário apresentar nenhum tipo de teste — nem o rápido, nem o PCR —, sendo a única exigência o uso de máscaras de proteção.

No entanto, em viagens internacionais, isso depende das regras do país de destino e da companhia aérea. Diversos países solicitam um exame RT-PCR negativo. Portanto, é importante atentar-se a isso.

Máscaras de proteção

Diferentemente do certificado de teste negativo para COVID-19, as máscaras de proteção são obrigatórias em todas as viagens, sejam elas de avião ou de ônibus.

Entretanto, não basta apenas colocar qualquer máscara: há regras que precisam ser seguidas.

Recentemente, a Anvisa proibiu alguns tipos de máscaras em aviões, como aquelas com válvula e as com somente uma camada de tecido. Além disso, é preciso ajustar bem as máscaras ao rosto, cobrindo totalmente a boca, o nariz e o queixo, bloqueando os espaços que possibilitem a saída ou a entrada de gotículas e de ar. Dessa forma, a recomendação é utilizar duas máscaras — uma de pano e outra cirúrgica por cima — ao mesmo tempo, pois, de acordo com estudos, aumenta a proteção em até 92%.

Em relação à quantidade de máscaras, esta deve ser calculada de acordo com o tempo de viagem. Para trajetos mais longos, pode ser necessário ter de 3 a 5 máscaras na bagagem de mão. Já para percursos mais curtos, apenas 1 é suficiente.

Porta máscara de proteção 

Como o ideal é trocar de máscara após 2 ou 3 horas de uso, caso ela fique úmida ou seja tocada por mãos não higienizadas, o porta máscara é um item de proteção indispensável para viagens.  Com ele, é possível armazenar as máscaras de maneira adequada, evitando contato com outros itens e consequente possível contaminação.

Ademais, há outras formas de utilizar esse acessório, como guardar máscaras limpas e demais itens de higiene. Por isso, não se esqueça de incluí-lo na sua bagagem.

Álcool 70

Por fim, embora haja álcool 70 em aeroportos e rodoviárias, é importante carregar seu próprio frasco na mala de mão para se proteger contra o vírus. No entanto, sobretudo em voos, há normas que precisam ser respeitadas. 

O embarque com álcool 70 é permitido, mas há um limite: para voos nacionais, a embalagem deve ter até 500 ml; para voos internacionais, o frasco deve ser de até 100 ml. Além disso, em ambos os casos, a embalagem precisa ser transparente.

Nesse sentido, uma alternativa é optar por lenços higienizadores, que são práticos e excelentes para higienizar objetos, assentos, braços de assento e os demais itens do avião, além das próprias mãos. Para eles, não há limite estabelecido. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

GIPHY App Key not set. Please check settings

Como um sistema para restaurante pode otimizar os processos internos

Maiô engana mamãe: tipos e como escolher o seu