in

Gatos de rua: cuidados na hora de adotar um

Muitas vezes, quando vemos um gatos de rua, nossa primeira reação é pensar em formas de cuidar daquele animal e até mesmo adotá-lo. Mas para fazer isso com segurança, é preciso ter uma série de cuidados que são primordiais.

Uma excelente pedida é levar o animal diretamente para realizar exames laboratoriais para gatos. Isso elimina o medo de doenças contagiosas e passa um diagnóstico apurado de como o animal está.

O Brasil tem uma população imensa de animais de rua. As proporções são alarmantes, tanto para cães, quanto para gatos.

Embora alguns destes animais sejam cuidados por ONGs ou pela própria sociedade, com moradores deixando potes de água e ração para alimentar os animais de rua, ainda existem muitos casos de animais completamente abandonados à própria sorte.

A rua não é só perigosa por falta de alimentos. Animais neste estado ficam sujeitos a intempéries do tempo como enchentes, podem vir a sofrer maus-tratos de pessoas inescrupulosas e até mesmo pegar doenças.

Os cuidados ao resgatar um gato de rua vão muito além dos serviços de pet shop banho e tosa, embora estes serviços sejam fundamentais.

A maior preocupação quando você encontra um animal em situação de rua é que, por não saber o que ele passou antes, pode ter uma reação agressiva por conta do medo do animal.

Por isso, é importante prestar bastante atenção nas técnicas apresentadas a seguir para realizar o resgate da melhor forma possível.

1. Tenha paciência

Comece o contato com o animal se aproximando devagar, com muita calma e deixando ele se acostumar com você. Essa parte do processo é fundamental, porque mesmo que esteja ferido, um animal acuado tem como reação inicial o ataque, e pode te ferir.

Por isso, permaneça imóvel, sem fazer nenhum movimento rápido e inesperado. Uma boa estratégia aqui é oferecer um pouco de comida ao gato.

Animais de rua tendem a ter mais dificuldade de encontrar comida, então se você for usar a mão para estender o alimento, o gatinho terá mais segurança em se movimentar na sua direção.

Você pode identificar fraturas e machucados, mas muitas vezes pode ser necessário um raio x gato para conseguir identificar de onde vem a dor.

Além disso, se você estiver em uma via movimentada, o ideal é chamar as autoridades. 

A Polícia Rodoviária tem equipamentos e pessoal preparado para esse tipo de resgate em autoestradas, onde o risco para a vida é muito maior caso você decida resgatar um gatinho de rua.

Em cidades, você pode chamar a Polícia Militar ou o Centro de Zoonose, órgão especializado na guarda de animais em situação de rua. 

Outra opção possível, caso você não esteja sozinho, é solicitar ajuda para as pessoas a sua volta pararem o trânsito enquanto você efetua o resgate.

Um veterinário dermatologista pode ser necessário para lidar com problemas de pele causados pelo tempo de rua do gato.

2. Prepare um transporte adequado

A melhor forma de transportar um gato de rua é utilizando uma caixa de transporte. Se você não tiver uma em mãos, é ideal encontrar uma caixa de papelão ou outro recipiente que permita que você transporte o gato sem correr riscos de se ferir ou de machucá-lo.

Não o coloque no colo, a não ser que você consiga enrolar o animal em uma toalha ou algum outro objeto mais pesado, uma vez que o mesmo pode estar doente ou ficar agressivo quando movimentado contra sua vontade.

Até mesmo um gaveteiro de madeira antigo pode acabar servindo para ajudar no transporte, o importante é que você tome cuidados redobrados para não estressar o animal.

3. Leve ao veterinário e procure saber mais sobre o gato

Depois de garantir a segurança do gato na caixa, você deve levá-lo a um médico com urgência. O especialista irá fazer todos os exames e identificar qualquer problema de saúde que o animal possa apresentar.

Além disso, ele já pode iniciar tratamentos e identificar elementos importantes para a saúde do gato. Sempre consulte veterinários com uma agenda liberada e preocupada majoritariamente em cuidar do animal.

A consulta com um profissional de saúde animal é fundamental, uma vez que não existe outra forma de identificar em que situação o gato se encontrava enquanto estava na rua.

O médico será capaz, inclusive, de identificar se o gato está saudável, ou algum outro sinal de que ele talvez esteja na rua por ter se perdido de casa, e não por ter sido abandonado. Talvez alguém ainda esteja procurando o animal.

Nesses casos, procure a família. Gatos têm um instinto de exploração que muitas vezes fazem eles saírem de suas casas em busca do desconhecido. Infelizmente, nem sempre eles conseguem encontrar o caminho de volta.

Pensando nisso, quando você resgatar um animal da rua, é importante verificar com órgãos oficiais e veterinários próximos a região onde o encontrou para identificar se há algum tipo de intenção de busca em gatos, se existem fotos do animal perdido para verificar, etc.

Isso porque, muitas vezes, uma família pode estar desesperada procurando o animal, e encontrá-lo para que sua família o tenha de volta pode ser tão recompensador quanto resgatá-lo e ficar com ele.

4. Levando para casa

Uma vez que o gatinho tenha passado pela consulta e você tenha procurado mas não identificado nenhum tipo de busca sobre o animal, é hora de levá-lo para casa.

ONGs e centros de zoonose sofrem com um sério problema de superlotação, portanto não conseguirão dar a atenção e os insumos necessários para que o animal fique bem e com saúde.

Pense na necessidade de instalar uma tela de proteção para gatos, uma vez que eles costumam de fato ser muito aventureiros, e podem tentar entrar em locais que não devem.

Por isso, levá-lo para sua casa é a melhor opção, mesmo que seja algo temporário. É importante frisar que se você já tiver animais de estimação, deve tomar cuidado ao levar um animal novo da rua.

É preciso identificar se tanto o novo gatinho quanto os animais que você já possui conseguirão viver em harmonia, sem passar por nenhum tipo de problema.

5. Providencie comida e espaço

A primeira coisa que você precisa fazer é deixar o animal confortável no novo lar. Delimite um espaço da casa para o animal ficar, onde ele possa se proteger de alterações climáticas e possa ficar confortável.

Caso seja necessário, deixe seu veículo fazendo uma higienização interna de carros em um lava-rápido para não ter problemas com a nova adaptação.

O ideal é comprar ração adequada para o animal, para que ele não passe fome quando chegar em sua casa.

Se não puder comprar ração, aposte em comidas simples e sem tempero, como:

  • Batatas;
  • Arroz;
  • Frango desossado;
  • Pedacinhos de carne.

Além de outros alimentos naturais. Em seguida, procure potes para colocar a comida e água.

6. Invista na castração

Se você pretende doar o animal, não se esqueça de castrá-lo antes. Tirar o gatinho da rua é um ato nobre, mas diversos problemas podem surgir se o animal continuar fértil. O ideal é realizar a castração para evitar qualquer tipo de problema que possa surgir.

A castração também é útil na prevenção de doenças, agindo diretamente no bem-estar e na saúde física do gato.

Caso faça um tempo que o animal não se consulta, é uma excelente oportunidade para fazer um check up geral e verificar se está tudo bem com o restante da saúde.

É uma cirurgia relativamente simples, e existem diversos locais do país que criam campanhas de castração, onde você pode levar o animal gratuitamente para passar pelo procedimento.

7. Guarda responsável

Muitas pessoas se animam ao ver um filhotinho recém-resgatado, mas esquecem que adotar um animal é um compromisso que dura por anos. É preciso agir com responsabilidade e cautela, identificando-se sempre e identificando o novo dono do animal.

Se possível, agende visitas para ver como está indo a adaptação. O gato permanece sendo sua responsabilidade se você doar sem identificar como será a guarda.

8. Se optar por doar, use as redes sociais

Caso você ainda esteja receoso de que o gato tenha um dono, ou se não puder ficar com ele, a utilização das redes sociais tem sido um grande apoio para encontrar novos pais para animais abandonados.

Isso porque o potencial de viralização é enorme. Basta anunciar que o gato está em doação para receber inúmeras propostas. Entretanto, é preciso cautela quando utilizar esse artifício.

Procure identificar se a pessoa que tem interesse na adoção é idônea, se seus dados estão todos em dia e o que você conseguir descobrir dela. 

Afinal de contas, trata-se de um gatinho resgatado, e você não quer que ele tenha risco de passar por maus-tratos novamente.

Com todas as checagens feitas, você também pode usar as redes sociais para manter o contato com a pessoa que adotou o animal, para verificar como ele está lidando com a situação.

Considerações finais

Uma boa ação pode fazer a diferença na vida de um animal indefeso, abandonado à própria sorte. Por isso, devemos tomar todos os cuidados necessários para que esses animais não fiquem em uma situação ainda pior.

A adoção responsável é um excelente meio de melhorar a vida destes pequenos seres, e todos aqueles que tomam para si essa responsabilidade são heróis.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quais os principais concursos públicos abertos em abril de 2021?

Adoção de cachorro: saiba tudo sobre o tema